terça-feira, 12 de abril de 2011

Jacob Kroeff Filho - o primeiro deputado estadual de Novo Hamburgo


Material retirado do terceiro livro do escritor Felipe Kuhn Braun, "Memórias de imigrantes alemães e seus descendentes no sul do Brasil"


Nasceu no dia 19 de fevereiro de 1851, na pequena aldeia de Merl sobre o Reno, na Alemanha. Seus pais Jacob e Thecla Kroeff imigraram para o Brasil no ano de 1835 (sic), chegando em Porto Alegre, após uma longa e penosa viagem de seis meses em um navio a vela. De Porto Alegre, seguiram logo para Capela da Piedade, hoje Hamburgo Velho (bairro do município de Novo Hamburgo), onde fundaram o Hotel Kroeff, mais tarde denominado Esplêndido Hotel.


Desde a idade de doze anos, Jacob Kroeff Filho, começou a ajudar seu pai, de começo no hotel, e mais tarde, na compra e venda de animais para o abastecimento de um pequeno matadouro e preparo de produtos suínos, demonstrando desde logo, conhecimento no ramo e tino comercial.


Em 1873, casou-se com dona Thereza Steigleder, com quem teve doze filhos, todos educados nos principais colégios de São Leopoldo e Novo Hamburgo. Em 1875, começou a trabalhar por conta própria, tendo fundado o conhecido Matadouro Kroeff, que fornecia carne de boi, porco e ovelha para a capital do Estado. Dedicou-se também, mais tarde, a criação e engorda de gado, em suas fazendas nos municípios de São Sebastião do Caí e São Francisco de Paula.


Foi um dos primeiros criadores de gado holandês no Estado, foi diversas vezes à Argentina, comprar reprodutores puros, para o seu estabelecimento denominado – Fazenda Paquete – no município de Caí.


Nessa mesma fazenda, instalou, também no ano de 1902, uma grande fábrica de álcool, extraído da raiz de mandioca, que, era grandemente cultivada naquela zona. Possuía igualmente, em Porto Alegre, uma fábrica de descascar arroz, uma das primeiras fundadas no Estado.


Muito relacionado, tanto na região colonial, como na serrana, onde mantinha grandes transações comerciais, dedicou-se, desde cedo à política, foi eleito em 1881, para o conselho municipal de São Leopoldo, cargo para o qual foi reeleito diversas vezes, foi também, mais de uma vez, seu Presidente.


Propagandista da República, antes e depois do regime triunfante, foi eleito deputado à Assembléia do Estado, no ano de 1892, ocupapou a cadeira, durante duas legislaturas, ou seja, até 1900.


Foi sempre um devotado defensor dos interesses regionais, especialmente no que dizia respeito às escolas e às estradas. Católico fervoroso e convicto, estava sempre em primeira linha quando se tratava da construção de uma igreja ou de um estabelecimento de ensino.


Sobre sua atuação na área religiosa, o padre Ambrósio Schupp destaca: “um padre de São Leopoldo dirigia-se a cavalo todos os sábados, ou no mínimo de duas em duas semanas, até Hamburgo Velho. Apeava na frente do hotel Kroeff, ocupava o quartinho perto da porta de entrada, que o “pai Kroeff” mantinha sempre preparado”.


“Jacob Kroeff era um honrado “Hunsrücker”, um homem de gênio alegre, que em sua casa mantinha um regime forte, mas paterno. Sua excelente mulher Thecla ficava ao seu lado como anjo da guarda, tomando conta dos negócios domésticos com grande circunspecção e sabedoria. Preocupava-se de modo especial com a boa educação e gozava de satisfação de ver crescer todos no temor a Deus e nos costumes cristãos. Hoje todos estão à frente de famílias sólidas e fiéis ao catolicismo. Apenas o caçula escolheu a vida religiosa”.


E o padre prossegue: “No domingo, a pequena capela enchia de gente piedosa. O pai Kroeff, ou outro, puxava o canto, pois não havia falta de boas vozes. Mais tarde, arranjou-se um harmônio e não demorou para que as filhas de Kroeff ou a professora, que, como aquelas, tivera a sua educação no colégio das irmãs em São Leopoldo, assumissem a direção do canto”.


O célebre colégio São José, das Irmãs Franciscanas de São Leopoldo, o colégio Santa Catarina, de Novo Hamburgo, tiveram no cel. Jacob Kroeff Filho, um grande auxiliar e protetor, não menos também o antigo colégio Nossa Senhora da Conceição de São Leopoldo, teve no coronel Kroeff um devotado servidor.


Foi um dos fundadores do Colégio São Jacob de Hamburgo Velho, que, em atenção aos relevantes serviços por ele prestados, deu-lhe o nome. Por duas vezes, foi à Europa em visita à sua terra de origem, tendo sido recebido em uma delas, em audiência especial pelo Santo Padre Pio X, que pessoalmente lhe conferiu a benção papal, extensiva a toda família. Faleceu a 4 de fevereiro de 1926, com 75 anos de idade.




Nenhum comentário:

Postar um comentário